• CARLOS MENA

DICAS: COMO ESCOLHER LUMINÁRIAS PENDENTES

As luminárias pendentes são um dos elementos mais marcantes na iluminação. E justamente por serem peças que se destacam no ambiente, exigem um pouco mais de

cuidado no momento da escolha, de forma que seu impacto seja positivo. Pensando nisso,

gostaríamos de compartilhar com vocês algumas dicas importantes que podem ajudar nessa tomada de decisão.


Tipos de pendentes


Para começar, podemos dividir os pendentes basicamente em três categorias:


Pendentes de luz direta: possuem um facho mais direcionado, apontando diretamente

para o plano de uso. Neles, a lâmpada fica mais escondida lá dentro. Esse modelo é bastante comum como as cúpulas de alumínio meio esférica, porém, existem diversos outros formatos seguindo esse padrão.

Pendentes de luz indireta: possuem um facho direcionado para cima, utilizando um plano indireto para rebater a luz para o espaço – neste caso, o teto tem papel fundamental para a iluminação. Neles, a lâmpada fica totalmente escondida.

Pendentes de luz difusa: possuem o facho direcionado para todos os lados. Normalmente as lâmpadas ficam aparentes ou por trás de um difusor de vidro - muito comum nos lustres mais tradicionais.











A influência das lâmpadas nas luminárias pendentes


Com o avanço do Led, que está cada vez mais acessível, as antigas lâmpadas incandescentes e fluorescentes vão sendo cada vez mais substituídas. Porém, sem um

auxílio profissional adequado, as pessoas acabam adquirindo lâmpadas meramente pelo

preço mais baixo e o resultado não é satisfatório.

Existem diferentes tonalidades de luz dentro de um mesmo espaço e há uma ilusão de que

elas iluminam mais ou menos. Estou me referindo às lâmpadas de tom amarelado ou de tom branco – existe um mito de que esta última ilumina mais. Mas na realidade, não é isso o que determina se um ambiente está bem ou mal iluminado, e sim um projeto luminotécnico bem pensado. Essas diferenças de tonalidade têm mais impacto no conforto, saúde e bem estar das pessoas do que na quantidade de luz ideal para aquele ambiente. Falaremos sobre isso mais profundamente em outro post, pois é um assunto longo!

Então vamos focar em outro ponto, que são as lâmpadas de facho difuso ou facho

concentrado e na sua influência na escolha do modelo de pendente.


Lâmpadas difusas: dentre as lâmpadas de Led mais comuns no mercado, estão as

chamadas Led bulbo, com acabamento leitoso e formato tradicional. Assim como as lâmpadas comuns de antigamente, quando acesas, jogam luz para todos os lados (claro

que existem especificações mais técnicas, como grau de abertura, IRC e bla bla bla, mas

não é o caso agora). Dependendo da potência da lâmpada, ela pode acabar gerando um grande ofuscamento, ou seja, causa incômodo quando olhamos para ela.

Existem também outras variações dessa linha, como: filamento Led, lâmpada bolinha etc.,

mas vamos ficar somente nesse exemplo, caso contrário o post vai longe.


Lâmpadas de facho concentrado: possuem um ângulo de abertura mais fechado e a luz

focada para o plano de trabalho que se deseja destacar.

Como estamos falando de pendentes, vamos citar aqui a lâmpada PAR20 Led. Ela é mais

cara, porém como seu facho é mais concentrado, o nível de ofuscamento é menor. Outros

exemplos são a Dicroica Led (conhecida como Gu10), Par30, Ar70 etc.



A influência da localização da luminária pendente


Ao escolher um pendente para um ambiente, precisamos entender qual será a função dele. Queremos que ilumine todo um espaço? Que propicie uma luz mais confortável? Ou que ilumine um ponto específico? Então vamos setorizar a conversa e abordar os três locais onde os pendentes são mais utilizados:


Mesas laterais: mais comuns em dormitórios, servem para apoiarmos pequenos objetos na hora de dormir, como um relógio, aquele livro que deixa nossa mente em colapso, aquela cartinha de amor que nos faz suspirar ou até mesmo aquele supercorega! Portanto, a ideia de um pendente na mesa lateral também é de apoio, ou seja, não é uma luz que precisa iluminar todo o quarto, mas sim uma luz guia para a noite, para você ter um momento relaxante ou para ajudar na leitura. A vantagem de se usar um pendente nessas situações é que você substitui o abajur, liberando espaço de apoio para colocar mais tranqueira.


_ Qual pendente escolher - nesta situação, os pendentes mais comuns são os de luz direta e os de luz difusa. Peças menores são uma boa escolha pois não se tornam um estorvo: você pode bater o braço na hora de desligar o maldito despertador ou pode bater a cabeça no desespero de constatar que está atrasado para o trabalho!

_ Tonalidade - já adianto de imediato que a luz branca não é aconselhável nesta situação: ela nos deixa mais despertos!

_ Modelo de lâmpada - para luz de apoio, opte pelas lâmpadas de facho concentrado, que evitam ofuscamento. Se deseja uma luz um pouco mais ampla, opte pelas lâmpadas de luz difusa (aí atenção à altura e modelo do pendente!).

_ Altura - apesar da regra (ilustrada no esquema abaixo), tenha em mente na hora da regulagem que a lâmpada de facho concentrado não incomoda tanto os olhos e a de luz difusa, sim.

Tudo isso não significa que um modelo ou outro não irá suprir as suas necessidades, como por exemplo a de leitura. A diferença está no posicionamento: um irá ter uma projeção menor para a cama no momento da leitura e o outro irá ter uma maior. E essa relação poderá ser compensada em sua altura.

Com uma luz apropriada na sua mesa lateral, você não irá se assustar achando que um mensageiro celestial veio te visitar na hora do xixi da madrugada.


Mesas de jantar: é o lugar mais comum onde o pendente é utilizado. Sempre marca o espaço, limita o ambiente e é ali onde a magia familiar acontece. Frequentemente é nesse pendente que o cliente decide investir a maior parte da “bufunfa” destinada à iluminação (o resto, para nossa tristeza, é basicamente 'uns bocal de luz no teto'.

_ Qual pendente escolher - primeiramente é importante considerar o tamanho da mesa, não é muito legal aquele parente chato, alto, ficar dando cabeçada na peça toda vez que vai pegar o último pedaço do seu prato preferido. Ele pode acabar danificando a luminária. Por isso, uma dica é trabalhar com uma margem de distância entre a borda da mesa e a borda do pendente. Importante mencionar que se você não tem outros pontos de apoio de iluminação, o ideal é escolher um pendente de luz difusa, pois ele também irá iluminar o espaço como um todo. Afinal, não adianta ter uma peça legal marcando a mesa se a penumbra do ambiente estraga a composição do todo.

_ Tonalidade – a luz amarela cria um ambiente mais aconchegante, propícia para aquele jantar íntimo na esperança de sair da friendzone. A não ser que você esteja dando um banquete para a família Adams – a luz branca deixa todo mundo pálido, inclusive a comida pode ficar com uma cara estranha.

_ Modelo de lâmpada – não há uma regra, pois dependerá do modelo a ser escolhido. É uma combinação de fatores.

_ Altura – aqui novamente temos a discussão que nos leva ao ofuscamento. Tenha cuidado para que ninguém bata a cabeça e para que não incomode os olhos.


Luz geral: normalmente é ocupada por luminárias de sobrepor, aqueles 'plafons' de vidro cheios de mosquito e sujeira que cai do ponto de elétrica. Isso vem mudando graças a alguns modelos de pendentes que nos permitem criar um ambiente com mais personalidade.

_ Qual pendente escolher – para residências, o pendente de luz indireta é uma das melhores opções, pois traz uma iluminação mais suave, seu ofuscamento é praticamente zero e elimina todos os pontos de sombra. O pendente de luz direta (normalmente os de cúpula) possui um facho mais controlado da luz e fica melhor quando utilizado em conjunto com outros pontos de apoio. Caso não tenha esses pontos, um pendente de luz difusa pode ser um caminho mais apropriado. Sempre lembrando que, em ambos os modelos, pode haver pontos de ofuscamento.

_ Tonalidade – a não ser que você queira criar um efeito diferenciado, procure utilizar sempre tons quentes (amarelo).

_ Modelo de lâmpada – no pendente de luz indireta ou são utilizadas mais lâmpadas do que nos demais pendentes (pois por mais que o teto rebata a luz ele também suaviza sua intensidade, o que gera um menor aproveitamento da eficiência da lâmpada) ou são utilizadas lâmpadas mais específicas. Quanto mais afastado do teto, maior a abertura em relação à superfície, porém nada comparado com a luz direta. Tudo estará atrelado à área do ambiente.

_ Altura – basta garantir que toda vez que você passe pelo pendente não ache que é um jogador de futebol cabeceando a bola pro gol.


Dicas complementares para acertar na escolha do seu pendente


_ Antes de determinar o modelo de pendente, analise o tamanho do espaço que possui.

_ Leve em consideração seus hábitos diários e não apenas a estética ou o preço – é nessa hora que fazemos más escolhas.

_ Para evitar ofuscamentos, também é interessante buscar alternativas para dimerizar o sistema. Sabe aquele interruptor que regula a intensidade da luz? Esse mesmo. É um pouco mais caro em termos de preparação, mas vale muitíssimo a pena. Hoje já contamos com modelos mais simplificados e acessíveis, que podem ser ligados no próprio interruptor simples.

_ Com a dimerização, por mais que você tenha apenas um único ponto no teto, poderá criar diversos moods com a mesma luminária.

_ Caso não haja possibilidade de dimerização, procure atenuantes de ofuscamento na própria peça, como difusores mais opacos, cúpulas de tecido, etc.

_ É sempre aconselhável que a altura do pendente seja definida junto a quem irá utilizar o espaço. Instale a peça num momento em que esse teste possa acontecer e peça para o profissional de instalação (e a seu fornecedor) prever uma margem de ajuste de altura (cabos). Normalmente os padrões desses itens, acabam limitando o seu ajuste.


Claro que cada pessoa tem um gosto e a ideia aqui não foi falar sobre isso ou ditar regras.

A iluminação residencial é algo muito particular e por mais que existam certos padrões, ninguém melhor do que o próprio morador para saber o que lhe deixa mais confortável.

Mas como você pôde perceber, essa equação modelo de pendente X modelo de lâmpada

X altura não é tão simples quanto parece. Por isso, é fundamental consultar um profissional de iluminação, que saberá como solucionar a sua necessidade de acordo com o seu gosto e bolso!


_imagens sem fonte supracitadas: pinterest.

  • Facebook - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
produzido por estudio menaa_todos os direitos reservados